Marcolino BRSP

Tecnologia, piadas, religião e polítca.

Marcolino BRSP - Tecnologia, piadas, religião e polítca.

Esse é o meu mundo. AMOR acima de tudo!

Não sei informar se tudo que está aí em baixo é verdade, isso me chegou por email através do meu amigo André Chierichetti.
No entanto, eu estou fadado a achar que é verdade. Porque? Porque considero o que este policial fez a regra, e não a excessão.
Ver seu irmão com frio, com fome e sem alento e não fazer nada não é o normal.
Não dou meus parabéns a ninguém. Apenas abraço mais um irmão. Vamos em frente.
O que era para ser<br /><br />
                                                          unicamente uma<br /><br />
                                                          atitude<br /><br />
                                                          pessoal ganhou<br /><br />
                                                          o mundo graças<br /><br />
                                                          a uma turista<br /><br />
                                                          do Arizona que<br /><br />
                                                          registrou com</p><br />
<p>                                                    a câmera de<br /><br />
                                                          seu celular e<br /><br />
                                                          postou no<br /><br />
                                                          Facebook a<br /><br />
                                                          imagem de um<br /><br />
                                                          ser humano<br /><br />
                                                          agindo com<br /><br />
                                                          humanidade.<br /><br />
                                                          Estranho mundo<br /><br />
                                                          esse nosso...<br /><br />
                                                          O que deveria<br /><br />
                                                          ser</p><br />
<p>                              corriqueiro<br /><br />
                                                          casou espanto<br /><br />
                                                          e admiração...<br /><br />
                                                          Foram mais de<br /><br />
                                                          400.000<br /><br />
                                                          compartilhamentos.<br /><br />
                                                          Tudo começou<br /><br />
                                                          quando o Larry<br /><br />
                                                          DePrimo um<br /><br />
                                                          policial de<br /><br />
                                                          Nova York de<br /><br />
                                                          25 anos fazia</p><br />
<p>                             sua ronda<br /><br />
                                                          normal pela 7º<br /><br />
                                                          Avenida na<br /><br />
                                                          altura da Rua<br /><br />
                                                          44...<br /><br />
                                                          DePrimo,<br /><br />
                                                          observou<br /><br />
                                                          sentado numa<br /><br />
                                                          calçada um<br /><br />
                                                          morador de rua<br /><br />
                                                          que tremia de<br /><br />
                                                          frio...</p><br />
<p>  Sem ter com<br /><br />
                                                          que se cobrir<br /><br />
                                                          e descalço o<br /><br />
                                                          homem tentava<br /><br />
                                                          se aquecer<br /><br />
                                                          mantendo-se<br /><br />
                                                          encolhido e<br /><br />
                                                          silencioso.<br /><br />
                                                          Diante da<br /><br />
                                                          cena, o jovem<br /><br />
                                                          policial se<br /><br />
                                                          aproximou<br /><br />
                                                          olhou,<br /><br />
 deu<br /><br />
                                                          meia volta,<br /><br />
                                                          entrou uma<br /><br />
                                                          loja e com o<br /><br />
                                                          dinheiro que<br /><br />
                                                          carregava em<br /><br />
                                                          seu bolso,<br /><br />
                                                          comprou um par<br /><br />
                                                          de meias<br /><br />
                                                          térmicas e uma<br /><br />
                                                          bota de<br /><br />
                                                          inverno –<br /><br />
                                                          gastou 75</p><br />
<p>                                                   dólares.<br /><br />
                                                          De volta à<br /><br />
                                                          presença do<br /><br />
                                                          morador de<br /><br />
                                                          rua, DePrimo,<br /><br />
                                                          lhe entregou<br /><br />
                                                          as meias e as<br /><br />
                                                          botas.<br /><br />
                                                          O homem,<br /><br />
                                                          segundo<br /><br />
                                                          DePrimo, deu<br /><br />
                                                          um sorriso de</p><br />
<p>                         orelha a<br /><br />
                                                          orelha e lhe<br /><br />
                                                          disse:<br /><br />
                                                          “Eu nunca tive<br /><br />
                                                          um par de<br /><br />
                                                          sapatos em<br /><br />
                                                          toda a minha<br /><br />
                                                          vida”.<br /><br />
                                                          No entanto, o<br /><br />
                                                          gesto não se<br /><br />
                                                          conclui na<br /><br />
                                                          entrega do</p><br />
<p> presente...<br /><br />
                                                          Percebendo que<br /><br />
                                                          o morador de<br /><br />
                                                          rua tinha<br /><br />
                                                          dificuldade em<br /><br />
                                                          se mover, o<br /><br />
                                                          policial se<br /><br />
                                                          agachou,<br /><br />
                                                          colocou as<br /><br />
                                                          meias, as<br /><br />
                                                          botas, amarrou<br /><br />
                                                          os cadarços e</p><br />
<p> pergunto:<br /><br />
                                                          ficou bom?<br /><br />
                                                          A resposta<br /><br />
                                                          foram dois<br /><br />
                                                          olhos felizes,<br /><br />
                                                          lagrimejados e<br /><br />
                                                          um novo<br /><br />
                                                          sorriso.<br /><br />
                                                          Ao se<br /><br />
                                                          despedir,<br /><br />
                                                          DePrimo<br /><br />
                                                          perguntou se o<br /><br />
                                                          homem queria</p><br />
<p>                                              um copo de<br /><br />
                                                          café e algo<br /><br />
                                                          para comer...<br /><br />
                                                          “Ele me olhou<br /><br />
                                                          e cortesmente<br /><br />
                                                          declinou a<br /><br />
                                                          oferta. Disse<br /><br />
                                                          que eu já<br /><br />
                                                          havia feito<br /><br />
                                                          muito por<br /><br />
                                                          ele”.<br /><br />
                                                          Aqui deveria</p><br />
<p>                             ser o fim da<br /><br />
                                                          cena.<br /><br />
                                                          O pano cairia<br /><br />
                                                          e todos iriam<br /><br />
                                                          para casa...<br /><br />
                                                          Mas não foi.<br /><br />
                                                          Jennifer<br /><br />
                                                          Foster, autora<br /><br />
                                                          da foto, foi<br /><br />
                                                          para casa<br /><br />
                                                          abriu seu<br /><br />
                                                          computador e</p><br />
<p>         postou em sua<br /><br />
                                                          página a foto<br /><br />
                                                          e escreveu o<br /><br />
                                                          seguinte<br /><br />
                                                          texto,<br /><br />
                                                          dirigido ao<br /><br />
                                                          Departamento<br /><br />
                                                          de Policia de<br /><br />
                                                          Nova York.<br /><br />
                                                          “Hoje, me<br /><br />
                                                          deparei com a<br /><br />
                                                          seguinte</p><br />
<p> situação.<br /><br />
                                                          Caminhava pela<br /><br />
                                                          cidade e vi um<br /><br />
                                                          homem sentado<br /><br />
                                                          na rua com<br /><br />
                                                          frio, sem<br /><br />
                                                          cobertor e<br /><br />
                                                          descalço.<br /><br />
                                                          Aproximei-me e<br /><br />
                                                          justamente<br /><br />
                                                          quando ia<br /><br />
                                                          falar com ele,<br /><br />
                                                          surgiu<br /><br />
 por<br /><br />
                                                          trás de mim um<br /><br />
                                                          policial de<br /><br />
                                                          seu<br /><br />
                                                          departamento.O<br /><br />
                                                          policial<br /><br />
                                                          disse: ‘tenho<br /><br />
                                                          umas botas<br /><br />
                                                          tamanho 12<br /><br />
                                                          para você e<br /><br />
                                                          umas meias. As<br /><br />
                                                          botas servem<br /><br />
                                                          para todo tipo</p><br />
<p>                                                          de clima.<br /><br />
                                                          Vamos<br /><br />
                                                          colocar’?”<br /><br />
                                                          “Afastei-me e<br /><br />
                                                          fiquei<br /><br />
                                                          observando. O<br /><br />
                                                          policial se<br /><br />
                                                          abaixou,<br /><br />
                                                          calçou as<br /><br />
                                                          meias no<br /><br />
                                                          homem, as<br /><br />
                                                          botas e</p><br />
<p>                     amarrou seus<br /><br />
                                                          cadarços.<br /><br />
                                                          Falou alguma<br /><br />
                                                          coisa a mais<br /><br />
                                                          que não<br /><br />
                                                          entendi,<br /><br />
                                                          levantou e<br /><br />
                                                          falou,<br /><br />
                                                          cuide-se”.<br /><br />
                                                          “Ele foi<br /><br />
                                                          discreto, não<br /><br />
                                                          fez aquilo<br /><br />
                                                          para<br /><br />
 chamar a<br /><br />
                                                          atenção, não<br /><br />
                                                          esperou<br /><br />
                                                          reconhecimento,<br /><br />
                                                          apenas fez”.<br /><br />
                                                          “Se foi sem<br /><br />
                                                          perceber que<br /><br />
                                                          eu o olhava e<br /><br />
                                                          que havia<br /><br />
                                                          fotografado a<br /><br />
                                                          cena. Pena, me<br /><br />
                                                          faltou coragem<br /><br />
                                                          para<br /><br />
 me<br /><br />
                                                          aproximar, lhe<br /><br />
                                                          estender a mão<br /><br />
                                                          e dizer<br /><br />
                                                          obrigado por<br /><br />
                                                          me fazer crer<br /><br />
                                                          que a policia<br /><br />
                                                          que sonho é<br /><br />
                                                          possível”.<br /><br />
                                                          “Bem, digam a<br /><br />
                                                          ele isso por<br /><br />
                                                          mim”.</p><br />
<p> Jennifer<br /><br />
                                                          Foster.<br /><br />
                                                          Em poucas<br /><br />
                                                          horas, o texto<br /><br />
                                                          e a foto de<br /><br />
                                                          Jennifer<br /><br />
                                                          pipocaram por<br /><br />
                                                          todo o<br /><br />
                                                          território<br /><br />
                                                          americano e<br /><br />
                                                          por boa parte<br /><br />
                                                          do mundo.<br /><br />
                                                          Larry DePrimo,</p><br />
<p>                                                   soube por um<br /><br />
                                                          colega que lhe<br /><br />
                                                          telefonou para<br /><br />
                                                          contar...<br /><br />
                                                          Quando voltou<br /><br />
                                                          ao trabalho e<br /><br />
                                                          se preparava<br /><br />
                                                          para sair às<br /><br />
                                                          ruas foi<br /><br />
                                                          chamado por<br /><br />
                                                          seus<br /><br />
                                                          superiores,</p><br />
<p>                                 ouviu um<br /><br />
                                                          elogio,<br /><br />
                                                          recebeu<br /><br />
                                                          abraços de<br /><br />
                                                          seus<br /><br />
                                                          companheiros e<br /><br />
                                                          quando seu<br /><br />
                                                          chefe lhe<br /><br />
                                                          disse que o<br /><br />
                                                          departamento<br /><br />
                                                          iria lhe<br /><br />
                                                          ressarcir o</p><br />
<p> dinheiro gasto<br /><br />
                                                          de seu próprio<br /><br />
                                                          bolso, Larry<br /><br />
                                                          recusou e<br /><br />
                                                          disse: “Não<br /><br />
                                                          senhor,<br /><br />
                                                          obrigado. Com<br /><br />
                                                          meu dinheiro,<br /><br />
                                                          faço coisas<br /><br />
                                                          nas quais<br /><br />
                                                          acredito”.<br /><br />
                                                          Fonte:</p><br />
<p> Elmundo.es/Nueva<br /><br />
                                                          York e<br /><br />
                                                          Newsday.
O que era para ser unicamente uma atitude pessoal ganhou o mundo graças a uma turista do Arizona que registrou com a câmera de seu celular e postou no Facebook a imagem de um ser humano agindo com humanidade.Estranho mundo esse nosso…

O que deveria ser corriqueiro casou espanto e admiração…

Foram mais de 400.000 compartilhamentos.

Tudo começou quando o Larry DePrimo um policial de Nova York de 25 anos fazia sua ronda normal pela 7º Avenida na altura da Rua 44…

DePrimo, observou sentado numa calçada um morador de rua que tremia de frio…

Sem ter com que se cobrir e descalço o homem tentava se aquecer mantendo-se encolhido e silencioso.

Diante da cena, o jovem policial se aproximou olhou, deu meia volta, entrou uma loja e com o dinheiro que carregava em seu bolso, comprou um par de meias térmicas e uma bota de inverno – gastou 75 dólares.

De volta à presença do morador de rua, DePrimo, lhe entregou as meias e as botas.

O homem, segundo DePrimo, deu um sorriso de orelha a orelha e lhe disse:

“Eu nunca tive um par de sapatos em toda a minha vida”.

No entanto, o gesto não se conclui na entrega do presente…

Percebendo que o morador de rua tinha dificuldade em se mover, o policial se agachou, colocou as meias, as botas, amarrou os cadarços e pergunto: ficou bom?

A resposta foram dois olhos felizes, lagrimejados e um novo sorriso.

Ao se despedir, DePrimo perguntou se o homem queria um copo de café e algo para comer…

“Ele me olhou e cortesmente declinou a oferta. Disse que eu já havia feito muito por ele”.

Aqui deveria ser o fim da cena.

O pano cairia e todos iriam para casa…

Mas não foi.

Jennifer Foster, autora da foto, foi para casa abriu seu computador e postou em sua página a foto e escreveu o seguinte texto, dirigido ao Departamento de Policia de Nova York.

“Hoje, me deparei com a seguinte situação. Caminhava pela cidade e vi um homem sentado na rua com frio, sem cobertor e descalço. Aproximei-me e justamente quando ia falar com ele, surgiu por trás de mim um policial de seu departamento.O policial disse: ‘tenho umas botas tamanho 12 para você e umas meias. As botas servem para todo tipo de clima. Vamos colocar’?”
“Afastei-me e fiquei observando. O policial se abaixou, calçou as meias no homem, as botas e amarrou seus cadarços. Falou alguma coisa a mais que não entendi, levantou e falou, cuide-se”.

“Ele foi discreto, não fez aquilo para chamar a atenção, não esperou reconhecimento, apenas fez”.

“Se foi sem perceber que eu o olhava e que havia fotografado a cena. Pena, me faltou coragem para me aproximar, lhe estender a mão e dizer obrigado por me fazer crer que a policia que sonho é possível”.

“Bem, digam a ele isso por mim”.

Jennifer Foster.

Em poucas horas, o texto e a foto de Jennifer pipocaram por todo o território americano e por boa parte do mundo.

Larry DePrimo, soube por um colega que lhe telefonou para contar…

Quando voltou ao trabalho e se preparava para sair às ruas foi chamado por seus superiores, ouviu um elogio, recebeu abraços de seus companheiros e quando seu chefe lhe disse que o departamento iria lhe ressarcir o dinheiro gasto de seu próprio bolso, Larry

recusou e disse: “Não senhor, obrigado. Com meu dinheiro, faço coisas nas quais acredito”.

Seu pior inimigo

É duro lutar contra um inimigo que tem uma base instalada na sua cabeça…Frase de Sally Kempton

http://i2.wp.com/3.bp.blogspot.com/-FKki52dHUz8/TkaNIG4WYLI/AAAAAAAAAPY/xd3UUmMjk8Q/s1600/batalha+na+mente.jpg?w=565

Seu pior inimigo levanta, come e dorme com você.

Ele lê todos os seus pensamentos e conhece seus mais íntimos desejos, mesmo os mais proibidos e que você insiste em fazer de conta que não tem. Ele sabe mais sobre você do que você mesmo e está acordado enquanto você dorme, observando seus sonhos sem censura. Ele não acredita em suas palavras, somente em seus pensamentos.

Ele não se importa com seu cargo, com os amigos que você tem ou com seu currículo. Ele sabe quando você está dizendo algo porque realmente acredita nisso ou quando está usando de cinismo, mentira ou manipulação. Seus medos estão catalogados por ele e, como um guerrilheiro, ele só ataca você em seus pontos fracos, nunca nos fortes. Ele está à espreita para derrubar você, sempre usando a arma mais mortal que existe: o conhecimento completo do território de batalha e as racionalizações que você cria — nome dado aos motivos aparentemente lógicos, para coisas ilógicas.

O único objetivo deste inimigo é derrubar você.

Seu pior inimigo é uma parte obscura de você. Ele nasceu com você e permanece dentro da sua mente, na escuridão dos seus medos, na claridade de sua bondade e no cinza de seu dia-a-dia. Se você gosta de ser preguiçoso, mas sabe que isso não é bem visto, seu inimigo procurará diversas razões absolutamente lógicas e publicamente aceitáveis para que você não faça algo de que deve ser feito. Aos poucos, você não fará nada que seja importante. Assim você será um fracasso profissional, um peão esquecido no jogo de xadrez da vida.

Mas, se você gosta de ter uma imagem de qualidade, seu inimigo fará o inverso, tornando você um perfeccionista crônico, do tipo que troca as relações mais importantes da sua vida pelo duvidoso prazer de trabalhar dia e noite. Uma pessoa-máquina que só encontrará gratificação no trabalho, que não pensa em ter filhos ou quer distância dos que já tem, que se viciou em adrenalina causada por stress e para quem amor e compromissos de verdade só atrapalham a agenda. Assim, você se sentirá um fracasso em família e, com o tempo, não terá nenhuma raiz ou fundação que o mantenha feliz.

Se você gosta de comer, seu pior inimigo colocará os mais deliciosos pratos na sua frente, o dia todo, e atrapalhará seus pensamentos lógicos sempre que tiver fome, empanturrando você de todo tipo de alimento engordativo para tirar seu corpo do nível ótimo de funcionamento e acabar com sua auto-estima. Ele também tentará convencer você de que frutas, água, sucos e outros alimentos saudáveis têm gosto ruim, quando uma breve análise da culinária mundial mostrará que nosso cérebro se adapta rapidamente a quase qualquer sabor.

Conquistar uma pessoa, um grupo, um país ou o mundo é muito mais fácil do que conquistar sua própria mente. Mas esta deve ser sua meta de vida. Pergunte sempre se não está exagerando naquilo que você faz, ou não faz. Se sua vida estiver em desequilíbrio, pode ser que você esteja perdendo a batalha para seu pior inimigo pensando que está tendo cada vez mais sucesso. Sua vida pode estar dando todos os sinais de que o desastre se aproxima, mas você racionaliza e acredita que está tudo bem.

Você está em batalha, meu amigo. Todos nós estamos. Uma batalha que terá que ser travada todos os dias de nossa vida. Mas que você só tem que vencer por hoje.

Só por hoje.

Como diz, Sally Kempton, é duro lutar contra um inimigo quando ele tem uma base militar de ataque instalada na sua cabeça.

Vencer essa guerra não é possível nem necessário porque, como toda batalha acontece somente durante 1 dia – o hoje – é possível vencer todas as batalhas, uma-a-uma, mesmo que essa guerra jamais termine.

Veja este seu inimigo como aqueles lutadores de boxe contratados para lutar contra grandes campeões durante os treinamentos. Eles batem forte, eles fazem os campeões cairem, eles estão sempre sendo trocados por outros, descansados, mas sem eles os campeões jamais estariam preparados para as lutas verdadeiras, fora do treinamento.

 

Seu inimigo é somente um treinador contratado por você para desafia-lo, ou desafia-la, o dia todo.

Visto assim, ele pode se transformar no seu maior amigo.
Basta que você não seja derrubado HOJE por ele. Somente por HOJE

Salmos 144 – NVI

Salmos 144 Davídico.

 1 Bendito seja o Senhor , a minha Rocha, que treina as minhas mãos para a guerra e os meus dedos para a batalha.

2 Ele é o meu aliado fiel, a minha fortaleza, a minha torre de proteção e o meu libertador, é o meu escudo, aquele em quem me refugio. Ele subjuga a mim os povos.

3 Senhor , que é o homem para que te importes com ele, ou o filho do homem para que por ele te interesses?

4 O homem é como um sopro; seus dias são como uma sombra passageira.

5 Estende, Senhor , os teus céus e desce; toca os montes para que fumeguem.

6 Envia relâmpagos e dispersa os inimigos; atira as tuas flechas e faze-os debandar.

7 Das alturas, estende a tua mão e liberta-me; salva-me da imensidão das águas, das mãos desses estrangeiros,

8 que têm lábios mentirosos e que, com a mão direita erguida, juram falsamente.

9 Cantarei uma nova canção a ti, ó Deus; tocarei para ti a lira de dez cordas,

10 para aquele que dá vitória aos reis, que livra o seu servo Davi da espada mortal.

11 Dá-me libertação; salva-me das mãos dos estrangeiros, que têm lábios mentirosos e que, com a mão direita erguida, juram falsamente.

12 Então, na juventude, os nossos filhos serão como plantas viçosas, e as nossas filhas, como colunas esculpidas para ornar um palácio.

13 Os nossos celeiros estarão cheios das mais variadas provisões. Os nossos rebanhos se multiplicarão aos milhares, às dezenas de milhares em nossos campos;

14 o nosso gado dará suas crias;não haverá praga alguma nem aborto.Não haverá gritos de aflição em nossas ruas.

15 Como é feliz o povo assim abençoado!Como é feliz o povo cujo Deus é o Senhor !

Orar pelos filhos… ou não?

“Tempos atrás, eu era vizinho de um médico, cujo “hobby” era plantar árvores no enorme quintal de sua casa. Às vezes, observava da minha janela o seu esforço para plantar árvores e mais árvores, todos os dias. O que mais chamava a atenção, entretanto, era o fato de que ele jamais regava as mudas que plantava.Passei a notar, depois de algum tempo, que suas árvores estavam demorando muito para crescer.

 

Certo dia, resolvi então aproximar-me do médico e perguntei se ele não tinha receio de que as árvores não crescessem, pois percebia que ele nunca as regava.Foi quando, com um ar orgulhoso, ele me descreveu sua fantástica teoria. Disse-me que, se regasse suas plantas, as raízes se acomodariam na superfície e ficariam sempre esperando pela água mais fácil, vinda de cima.

Como ele não as regava, as árvores demorariam mais para crescer, mas suas raízes tenderiam a migrar para o fundo, em busca da água e das várias fontes nutrientes encontradas nas camadas mais inferiores do solo. Assim, segundo ele, as árvores teriam raízes profundas e seriam mais resistentes às intempéries.Disse-me ainda, que freqüentemente dava uma palmadinha nas suas árvores com um jornal enrolado, e que fazia isso para que se mantivessem sempre acordadas e atentas.

Essa foi a única conversa que tive com aquele meu vizinho.Logo depois, fui morar em outro país, e nunca mais o encontrei.

Vários anos depois, ao retornar do exterior fui dar uma olhada na minha antiga residência. Ao aproximar-me, notei um bosque que não havia antes.Meu antigo vizinho havia realizado seu sonho!O curioso é que aquele era um dia de um vento muito forte e gelado, em que as árvores da rua estavam arqueadas, como se não estivessem resistindo ao rigor do inverno. Entretanto, ao aproximar-me do quintal do médico, notei como estavam sólidas as suas árvores: praticamente não se moviam, resistindo implacavelmenteQue efeito curioso, pensei eu…As adversidades pela qual aquelas árvores tinham passado, levando palmadas e tendo sido privadas de água, pareciam tê-las beneficiado de um modo que o conforto o tratamento mais fácil jamais conseguiriam.

 

Todas as noites, antes de ir me deitar, dou sempre uma olhada em meus filhos.Debruço-me sobre suas camas e observo como têm crescido. Freqüentemente, oro por eles.Na maioria das vezes, peço para que suas vidas sejam fáceis:”Meu Deus, livre meus filhos de todas as dificuldades e agressões desse mundo”…Tenho pensado, entretanto, que é hora de alterar minhas orações. Essa mudança tem a ver com o fato de que é inevitável que os ventos gelados e fortes nos atinjam e aos nossos filhos.Sei que eles encontrarão inúmeros problemas e que, portanto, minhas orações para que as  dificuldades não ocorram  têm sido ingênuas demais. Sempre haverá uma tempestade, ocorrendo em algum lugar.

 

Portanto, pretendo mudar minhas orações.Farei isso porque, quer nós queiramos ou não, a vida não é um mar de rosas.

Ao contrário do que tenho feito, passarei a orar para que meus filhos cresçam com raízes profundas, de tal forma que possam retirar energia das melhores fontes, das mais divinas, que se encontram nos locais mais remotos.

Oramos demais para termos facilidades, mas na verdade o que precisamos fazer é pedir para desenvolvermos raízes fortes e profundas, de tal modo que quando as tempestades chegarem e os ventos gelados soprarem, resistiremos bravamente, ao invés de sermos subjugados e varridos para longe.”

Ponto final no passado. Viver o recomeço.

Gostaria de estar escrevendo aqui que vou por ponto final no passado e viver o recomeço. Mas não consigo hoje. Preciso de orações intercessórias de quantos puderem orar por mim.

Estou com o pescoço duro. Tenso. Super estressado. Nunca foi tão ruim, tão dolorido, tão difícil receber um recado de Deus.

Sim, O CHEFE mandou um recado. Eu já tinha ouvido isso de várias pessoas, próximas e não próximas. Mas ELE se moveu e me mandou esse recado.

Coloque um ponto final no seu passado e RECOMECE do ZERO.

Deus sabe exatamente como sou, como me sinto, o que isso me custa…

Eu nunca desisto. Eu nunca desisti até agora. Mas como resistir a uma ordem direta do CHEFE ?

Tem pessoas que passam a vida inteira esperando um recado de Deus para elas. Ficam interpretando louvores, pregações, tentando achar sentido em sonhos e visões… em busca dessa demonstração de AMOR da parte de Deus.

Um recado de DEUS não é coisa rara em minha igreja. São muitos os irmãos profetas, são muitos mesmo! Mas eu já não recebia uma dessas a algum tempo, no seio da minha igreja. Deus tem seu trabalhar. Deus sempre sabe como nos atingir.

“… Jesus te ama muito… “

Todo mundo sabe que Jesus o ama. Isso é a mensagem mais pregada do mundo. Mas esse foi um dos recados que eu recebi ” … Jesus te ama muito …”. Isso foi repetido mais de 4 vezes. Eu acho que foram 6. O Jesus te ama é de praxe. O muito me chamou a atenção. Eu já amei mais ao Senhor, mas apesar de ter aprendido recentemente o poder do AMOR, ainda estou reaprendendo a AMAR. Porque tem coisa que brota da semente fácil, mas depois de planta, e depois de uma poda rasa, rebrotar das raízes é praticamente um MILAGRE!

Estou impactado por isso. Já faz muito tempo que eu não acho mais que sou tão amado assim por Deus. Eu olho os últimos acontecimentos, meu ministério, minha família, minhas finanças, tudo destruído… como acreditar que Deus te ama, se você toma uma paulada dessas. Tudo ao mesmo tempo ?

Mas, quem já anda como CHEFE a muito tempo como eu, sabe que nada é por acaso. E isso me bota muito medo.

Deus não aceita rebeldia. Esse pecado, a rebeldia ( desobediência com conhecimento de causa e ímpeto, não por necessidade ou ignorância ) é comparado ao pecado de feitiçaria e tratado como pecado de morte, isto é, do qual não há como se recuperar, ainda que exista a misericórdia de Deus. E isso se dá por causa do orgulho do homem, que o impede de aceitar o próprio erro e receber o perdão.

Depois do tratado aí em cima eu posso dizer porque estou com medo: sou orgulhoso demais para desistir de cobrar os danos do passado. Esse é o meu medo. Fico com a sensação de que eu perdi. Que eu estou sendo passado para traz mais uma vez pela pessoa que me prejudicou. Que fui mais uma vez feito de idiota. E isso, se acontecer, vai ser mais uma vez por que eu estou perdoando com o amor de Cristo. Porque é humanamente impossível perdoar tudo que me aconteceu recentemente. Minha “humanidade” me diz que alguém tem que pagar, que eu mereço dessa vez dar o troco.

Em meu orgulho, alimento uma sede de vingança. E isso está me consumindo e me atrapalhando.

O recado foi maior e mais extenso, profundo e com outros desdobramentos mas não cabe no mesmo assunto. No assunto que proponho neste post, fico por aqui.

Senhor, cumpre em mim tua vontade. Obrigado por cada irmão, irmã, amigo, desconhecido, enfim que foi levantado a ler este post e que vai orar por mim. Porque eu preciso de ajuda, isso eu reconheço. Não sei ainda o caminho, Deus. Não sei.

Senhor obrigado por usar a boca de um profeta para falar comigo diretamente. Eu sei que minha rebeldia está me afastando cada vez mais de Ti e reconheço seu AMOR tentando me reaproximar. Obrigado pelo seu AMOR Senhor.

A essência do amor

Minha filha, Aline Raquel, enviou essa “palavra de conhecimento” em 10/07/2010!

Hoje eu reli e decidi compartilhas com vocẽs que são leitores e assinantes deste blog. Se eu tivesse lido com o coração mais aberto como li hoje, muito mais felicidade haveria na minha vida!

Perguntei pra Deus o que era o amor,e ele me respondeu
-É conhecer as qualidades e os defeitos de alguém e não julgá-la. É tentar auxiliar em tudo e estar presente. Ser um motivo de alegria àquela pessoa,admirá-la incondicionalmente,saber o que ela quer ouvir e mesmo assim dizer o que ela precisa ouvir. Confiar cegamente, pensar primeiro na vontade da pessoa e não na sua, sofrer quando ela sofre, se alegrar só porque ela esta alegre, respeitar, compreender. Amar é simples para Deus mas complexo demais para os homens, por causa da soberba e do individualismo: ninguem se dá pelo outro,ninguem!

 

 

Ouvindo tudo aquilo comecei a chorar. Deus, observando-me, sabia o motivo porque Ele me ama e conhece o meu coração. Mesmo assim perguntou-me:

 

 

-Por que choras?

 

 

-De vergonha, se o amor é tudo isso que o Senhor me disse devo te pedir perdão, porque concluí que não te amo como pensava. Eu quero Jesus te amar dessa maneira que dissestes a mim…

 

 

-Através do amor conseguimos liberar muito mais coisas e uma delas é o perdão. Filha eu te compreendo, conheço as suas dificuldades, conheço a sua trajetória de vida e conheço você.Sei que no seu coração desejas realmente amar-me com sinceridade e de forma verdadeira e completa, conheça-me para que possas amar.

 

O amor é o maior poder do Universo. Como eu sei ? Até Deus escolheu operar através do AMOR! Pense nisso…

O Quadro

Tudo nas artes me chama atenção. A música, a pintura, os poemas e livros… a dança.

A tela de um artista é como uma oportunidade. Cada um de nós faz o que quer com a sua. Este artista resolveu fazer de seu quadro uma oportunidade de passar uma incrível mensagem ESPIRITUAL!

Confira, baixe esta apresentação Power Point e reflita!

O Quadro (265) - 387 kB Download O Quadro
%d blogueiros curtiram isso: